Dia do Pastor e Esposa promessista: a tarefa de guiar o povo de Deus

Deus diz que os pastores, missionários e missionárias que escolheu desempenhariam um papel vital em momentos conturbados, como no caso da pandemia de Covid-19.

A mídia tem noticiado, nestes últimos dias, muitos escândalos envolvendo pastores. Casos de divisão no meio do povo de Deus, brigas por poder, casos de infidelidade. Além das famílias de líderes destruídas, muitos cristãos e pessoas que não pertencem à igreja tem sua comunhão com Deus dificultada. A forma como o profeta abre o capítulo 23, seria digna de matéria de destaque em sites de notícias.

Jeremias compartilha a palavra denunciadora de Deus, que mostra descontentamento com esse tipo de pastor. O Senhor, o Deus de Israel, diz o seguinte a respeito das autoridades encarregadas de cuidar do seu povo:    — Ai de vocês, autoridades, que deixam que o meu povo seja morto e espalhado! Vocês não cuidaram do meu povo, mas o espalharam e o fizeram fugir. E agora eu castigarei vocês por causa das maldades que têm feito. Sou eu, o Senhor, quem está falando (Jr 23:1-2 NTLH).

Veja, não é de hoje que alguns líderes desempenham mal o seu papel de guiar o povo de Deus. Jeremias, nascido na classe sacerdotal, profetiza entre 627 a. C. até 586 a. C., uma época conturbada, de desvio espiritual e invasões internas em Judá. Exerceu por quase 50 anos o ministério, diante de uma sociedade em caos, como um pastor-profeta. Entre os assuntos reunidos em sua obra profética, Jeremias denuncia os falsos pastores, sacerdotes e líderes.  Porém, diante do conturbado cenário, Deus apresenta a seguinte promessa esperançosa: Ajuntarei o resto do meu povo dos países por onde os espalhei e os trarei de volta à sua pátria. Eles terão muitos filhos e aumentarão muito (Jr 23:3 NTLH).  Com essas palavras, Deus apresenta uma ação sobre a situação, Ele como o Sumo Pastor, iria juntar os espalhados, gente de todo povo, tribo, língua e nação (Ap 5:9).

Embora a esperança voltasse ao fim do cativeiro babilônico, há uma explicitude onde Deus começou a reunir suas ovelhas perdidas, e foi na primeira vinda do Messias, Jesus Cristo.  Uma outra promessa dada pelo Senhor é que ele levantaria novos pastores, diferentes dos que causaram divisão no povo de Deus: Eu lhes darei líderes que cuidarão deles. Não ficarão mais com medo, nem apavorados, e nenhum deles se perderá. Eu, o Senhor, estou falando (Jr 23:4 NTLH).

Ao longo dos anos, Deus tem levantado pastores e suas esposas, missionárias e seus cônjuges para guiar o povo de Deus. Isso porque, mesmo em meio a lobos vestidos de cordeiros, Deus levanta homens e mulheres segundo seu coração, que levantam o cajado da Palavra de Deus e de seu testemunho pessoal e guiam com a autoridade do Espírito Santo o povo de Deus. Jeremias conta isso de três formas:

1. Pastores e suas esposas, como ovelhas, são guiados por Deus.

O pastor promessista e sua esposa, ou líderes não casados, são guiados, porque Deus os escolheu. Lembre-se do que disse Jeremias: Levantarei sobre elas pastores que as apascentem (Jr 23:4a). O Deus que restaura seu povo e reuniu judeus e gentios em sua Igreja é o mesmo que levanta os que cuidam dela. Isso mostra que Deus cuida dos pastores e das missionárias, do casal pastoral, da família pastoral. Em dias bons e maus, em momentos de sucesso e fracasso, no pico da alegria ou no vale da depressão, Deus está com o pastor e sua esposa. A confissão de Davi, no Salmo 23, lembra disso: … refrigera-me a alma. Guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome. Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo; o teu bordão e o teu cajado me consolam (vv. 3-4).

O pastor e sua esposa devem lembrar que foi Deus que os constituiu sobre o rebanho. Ele usou estruturas falhas e limitadas, para lhes entregar parte de suas ovelhas, e conta com eles na tarefa de cuidar dessas vidas. Lembre-se: Atendei por vós e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastoreardes a igreja de Deus, a qual ele comprou com o seu próprio sangue (At 20:28).

2. Pastores e suas esposas guiam as ovelhas por meio da Palavra de Deus.

Pastores e missionárias, com o “cajado” da Palavra de Deus, guiam a igreja em sua peregrinação na Terra. É com a Bíblia que dão o alimento correto para que cada pessoa, discipulada em todo o ensino do Pastor Jesus, cresça na vida cristã. Em Jeremias 23:4b, Deus diz que os pastores, missionários e missionárias que escolheu desempenhariam um papel vital em momentos conturbados, como no caso da pandemia de Covid-19. Segundo o profeta, as ovelhas jamais temerão, nem se espantarão; nem uma delas faltará, diz o Senhor (Jr 23:4b).

Atenção, ovelhas: pensem em como o pastor ou a missionária se desdobraram para que, no meio da pandemia, você não estivesse só. O pastor e sua esposa, com o cajado da Bíblia, ajudaram as ovelhas sob seus cuidados a enfrentarem esses dias com fé, coragem e unidas por meio da oração. Ovelhas devem se lembrar, ser gratas, ligar, interceder e até presentear o casal que Deus colocou para as apascentar.

Com habilidade e precisão, eles têm exercido o ministério como quem se esforça em transmitir e ensinar o evangelho. Pastores e missionárias procuram sempre, em meio a pregações, ensinos e conselhos, ser fiéis à Bíblia e falar de forma edificante.

Assim como Salomão procurou achar palavras agradáveis e escrever com retidão palavras de verdade (Ec 12:10), em meio às lutas do ministério, pastores e missionárias, com seus cônjuges, procuram ser fiéis ao Pastor dos pastores, e, assim, fixarem no coração dos fiéis o necessário para guiá-los no caminho eterno (Ec 12:11; Sl 139:24).

3. Pastores e suas esposas guiam as ovelhas por meio de seu exemplo.

Diferentemente de como iniciou o capítulo falando dos falsos pastores (Jr 23:1-2), Jeremias profetizou uma nova modalidade de pastorado: pastores que unem, ao invés de espalhar; dão sua vida, ao invés de matar. Isso porque a vida do casal pastoral é um testemunho: sua casa, seus filhos e tudo o que os envolve (Tito 1:5-9), assim, como a vida de líderes solteiros. Não há perfeição, mas, sim, esforço; não há cobranças, mas, sim, doação e parceria, entre as ovelhas e a família pastoral.

Pastores, esposas e filhos, creiam: a força de ser exemplo vem do Senhor. É possível, com o poder do Espírito Santo, a família pastoral ser uma casa abençoada, reflexo do Supremo Pastor, Jesus Cristo, e espelho para as ovelhas (1 Pd 2:25).  Assim, o pastor e sua esposa guiam pessoas que seguem seus exemplos.

Deus, certamente, separou cada pastor e sua esposa, cada missionária e seu esposo, para juntos, conduzirem o povo de Deus. Portanto, palavras, pensamentos, ações e postagens são de vital importância, para que as ovelhas do Senhor encontrem refrigério e alívio, sejam encorajadas e guiadas até a volta do pastor dos pastores e Esposo da igreja.

Por: Ministério de Comunicação.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x