Skip to content

Histórias de chamados: seminaristas contam como chegaram ao Seminário Teológico Promessista

Nicolas, Maria Heloísa e o casal, Edileuza e José Barbieri, dividem quatro histórias de chamados diferentes, que se unem no Seminário Teológico Progressista (STP), em Cosmópolis (SP). 

 

Nicolas, Maria Heloísa e o casal, Edileuza e José Barbieri, dividem quatro histórias de chamados diferentes, que se unem no Seminário Teológico Progressista (STP), em Cosmópolis (SP). Participantes da mais nova turma do Seminário, a Turma 2023/2024, eles contaram ao Promessa Notícias, da TV Viva Promessa, suas histórias de vida até chegar à Turma 2023/2024. 

 

Nicolas é gaúcho, tem 20 anos e veio de Porto Alegre. Com experiência no Exército, ele contou sobre ter passado um mês longe da família, e agora, sobre a previsão de ficar dois anos longe de casa, devido ao Seminário. “Alguns anos atrás eu tinha desanimado bastante, porque eu estava no Exército. Estava perdendo alguns cultos. Eu sabia que quando eu chegasse aqui, não seria só uma questão de estudar, ia ser uma questão muito mais espiritual. Uma experiência que eu tive com Espírito Santo aqui foi de renovo”, testemunhou. 

 

Maria Heloísa é do interior de São Paulo e tem 21 anos. Já fazia faculdade e estudava antes de ir ao STP, e para essa missão pediu forças a Deus. Sua vivência na formação até agora, é avaliada como positiva. “Está superando minhas expectativas em relação às aulas. Deus está enviando ótimos professores, e essa semana que a gente teve aula, foi incrível!” 

 

José Barbieri (62 anos) e Edileuza (57 anos) são de Rondonópolis (MT), casados a mais de 30 anos. Pais de dois filhos gêmeos, de 30 anos, e de uma mulher, de 25 anos, eles são o primeiro casal de regime interno da história do STP, e falam da experiência de deixar seus familiares e imergir nessa experiência. “Todos [família] já têm a sua vida bem encaminhada: trabalho, estudos, então viemos tranquilos, porque nós temos a certeza que o Senhor vai cuidar deles”, relatou Edileuza. 

 

José fez um apontamento sobre a saudade, com direito a embargo na voz. “Eu acredito que a saudade não tem como você se desvencilhar dela, então usamos os recursos que nós temos para poder entrar em contato e aliviar um pouquinho essa intensidade dela”

 

Para os alunos, a ida para o Seminário deve ser levada com bastante seriedade, desprendimento e principalmente, com disposição para o conhecimento, já que se trata de uma formação acadêmica aliada à espiritualidade. Nicolas entende isso, e disse que o “desejo” é a faculdade que deve se abrir para o Seminário. “Ela [pessoa] tem que ter no coração o desejo de conhecimento, o desejo de repassar aquilo para as outras pessoas; e querer se aproximar cada vez mais de Deus”, explicou. E para Maria Heloísa, uma convicção do chamado deve acontecer antes de ir. “Buscar a direção de Deus, porque Deus coloca no nosso coração. Nós não devemos agir por emoção, porque isso pode ser um grande erro, mas buscar de fato a confirmação, porque Ele confirma”. 

 

Assista a entrevista e edição completa do Promessa Notícias aqui:

 

Por: APC Jornalismo. 

Fotos por: APC/Divulgação.